0
No fim de semana passado, na minha sorveteria preferida, eu conheci um adorável garotinho de 4 anos chamado Sully. Ele tinha olhos azuis brilhantes e inquisitivos, um sorriso feliz e, julgando por seus traços, síndrome de Down.
Poucas semanas antes eu havia lido uma estatística estarrecedora: 92% dos fetos diagnosticados com síndrome de Down estão sendo abortados. Normalmente, eu não me debruço sobre o tema do aborto, mas esse número me veio à mente quando eu olhei para o Sully. Com apenas 8% de prováveis pais de bebês com síndrome de Down optando por ter o filho, Sully pode crescer sem colegas como ele com quem interagir ao longo de sua vida. De alguma maneira nós estamos dizendo que as vidas de crianças com síndrome de Down valem menos do que aquelas que chamamos de crianças normais.
Decididamente, os custos econômicos de criar uma criança com síndrome de Down pode ser oneroso. O estresse emocional pode causar tensão entre os pais. Pode haver complicações médicas sérias. Na verdade, numa pesquisa conduzida por Brian Skotko da Escola de Medicina de Harvard, 3000 mães que receberam a notícia de que seus filhos tinham síndrome de Down relataram que os médicos se expressaram de forma negativa a respeito de sua escolha de prosseguirem com a gravidez.
Algo profundo e perturbador está no âmago deste dilema. Se os pais e até os médicos depreciam a vida de uma criança com síndrome de Down, que perspectiva ela terá em sua vida e como será julgada pela sociedade em geral?
É claro que a taxa de 92% apenas diz respeito àquelas mulheres que se submetem a exame pré-natal para rastrear deficiências. A prevalência de crianças nascidas com síndrome de Down ainda não caiu muito nos Estados Unidos (é aproximadamente de 1 em 733), o que quer dizer que muitas grávidas não estão fazendo esses testes. Mas o exame pré-natal tornou-se mais seguro e corriqueiro entre mulheres mais jovens, e agora mais de 70% delas têm se submetido a eles. Então, a questão é o que essas mulheres, esses pais e médicos farão quando tiverem a informação sobre a deficiência de um bebê antes dele nascer? Na velocidade que se caminha, nós eventualmente vamos exterminar as crianças com síndrome de Down da sociedade.
E o mundo vai perder a oportunidade de experimentar esses maravilhosos e generosos membros de nossas comunidades. Sim, frequentemente pais de crianças com síndrome de Down vivem um sentimento de luto e choque quando recebem o diagnóstico, mas, mais tarde, esses pais expressam o prazer e a alegria que seu filho trouxe para a família, e o otimismo que sentem acerca de seu futuro. Crianças com síndrome de Down brincam com os amigos, participam de programas de esporte, se formam no ensino médio e podem viver independentemente na comunidade com os apoios adequados.
Hoje, existem listas de espera de pessoas que querem adotar crianças com síndrome de Down nos Estados Unidos e em outros países. A Sociedade Nacional de Síndrome de Down tem trabalhado junto a profissionais de saúde para tornar todos os aspectos de se ter um filho com síndrome de Down - inclusive os positivos - conhecidos pelos pais quando eles recebem o diagnóstico.

A síndrome de Down não é a única deficiência que vem sendo atacada no útero. Recentemente um Laboratório de Genética francês identificou uma região no cromossomo número 16 que aparentemente está ligado ao autismo. Esse estudo imediatamente levantou questões sobre disponibilizar exames pré-natal para autismo. Se as estatísticas de síndrome de Down indicarem alguma coisa, isso pode representar uma nova onda de aborto relacionado à deficiência.
Esses abortos levantam questões dolorosas normalmente relegadas às esferas religiosas ou filosóficas. Nós só queremos crianças "perfeitas"? A sociedade valoriza mais pessoas "normais" do que as que têm deficiência? A igualdade inalienável entre todos os seres humanos é uma fraude?
Por ironia, o mundo aparentemente baniu a discriminação contra pessoas com deficiência através de leis que vão desde o precursor "Ato dos Americanos com Deficiência" até a recente Convenção da ONU sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência". Parece que nós evoluímos muito, mas talvez o avanço não seja tão grande. O movimento de eugenia no começo dos anos 1900 foi o precursor do genocídio nazista germânico de pessoas com deficiência. Noventa e dois por cento é efetivamente exterminação, sancionada por médicos e pais. É um número que reflete a atitude mais ampla da sociedade a respeito das pessoas com deficiência.
Nós resolvemos nos tribunais, por enquanto, a questão do aborto. Permanece sendo uma escolha da mulher. Mas essa escolha fica comprometida se as comunidades menosprezam seus deficientes. A vasta maioria destas vidas são ceifadas dentro do útero, condenadas pelo status de disponibilidade, apesar do fato de que crianças como Sully podem viver vidas longas, felizes e enriquecer a todos a quem tocam. Reconhecimento da igualdade entre todas as crianças - inclusive crianças com deficiência - é o primeiro passo para legitimar o direito da mulher a uma escolha verdadeira e a uma aceitação mais ampla por parte da sociedade dos direitos das pessoas com deficiência.

Jornal Newsday - Valerie Karr.
Teachers College - Universidade de Columbia.
Tradução: Patricia Almeida - InclusiveSite Externo.

Postar um comentário

Marcadores

#Encontro #Reflexão #UDEC ABNT Acessibilidade Adaptações Aeroportos Agenda Alerta Alimentação Alongamento Alzheimer Amor Amputados Aniversário Análise APAE Apaes Aposentadoria Artes Artrite Ataxia de Friedreich Ataxias Atividade Física Autismo Autísmo AVC Aventuras Basquete em cadeira de rodas Bengalas bexiga neurogênica bocha adaptada Braile Braille Cadeira de rodas Cadeirante Carro Adaptado carteira de habilitação para deficientes carteira nacional de habilitação cnh Casamento Cateterismo Cegos Cidadania Cirurgia Cistostomia Ciência Ciência e tecnologia CNH codigo de restrição observação da carteira Coluna Comportamento Conade Concursos Criança com Deficiência Crítica Crônica Cuidadores Cultura Cursos Cálculo Renal Câncer Cão de serviço Cão Guia Células-Tronco Dança Dançar sobre 02 Rodas Dançar sobre Rodas Deficiente Deficiente Auditivo Deficiente físico Deficiente Visual deficientes visuais Deficiência Deficiência física DEFICIÊNCIA INTELECTUAL Depoimentos Desaposentadoria Descaso Descriminação Devotee Dicas DICAS DE RELACIONAMENTO DIETA E NUTRIÇÃO Dieta para cadeirantes Direitos Direitos Humanos Discriminação Dislexia Distrofia Muscular Doenças Economia e negócios Educação Educação Inclusiva Emprego Empresas de Tecnologia Enquete Entrevistas EPD Equoterapia Erro Médico Escara/Úlceras Esclerose Lateral Esclerose múltipla Esgrima Espasticidade Espinha bífida Esportes Esquizofrenia Estatísticas Estudos Eventos Exclusão Exoesqueleto Fertilidade Fibromialgia Fisioterapia Fitoterapia Fixador Fop Fotos Futebol para amputados Gengibre Golfe Adaptado HEMATOLOGIA Hidratação HIDROCEFALIA História Homenagem Humor ICMS Idosos Implantes Impressão 3D Inacessibilidade Inclusão Infecção de bexiga Infecção do trato urinário Informação INSS Internet intestino Intestinos Ioga IPI JOGOS PARALÍMPICOS DO RIO-2016 Jornalistas Justiça lazer e turismo Leis Lesão Medular Libras Língua de Sinais Manifestações Medicina medula espinhal medula óssea Memoria Meningite Meningocele Mercado de trabalho Mielite transversal Mielodisplasia Mielomeningocele Mobilidade Urbana Moda Inclusiva Moda/Fotografia Modalidades paralímpicas Muletas Mulheres sobre rodas Musicoterapia MUTAÇÃO GENÉTICA mão artificial Médula Nanismo Natação Neurociência NEUROLOGIA Noticias Notícias Notícias Paraolímpicos Nutrição Obesidade ONCOLOGIA Ortopedia Ossos de Vidro Osteoartrite Osteoporose pancreatite Paraalterofilismo Paracanoagem Paraciclismo paralisa cerebral paralisia cerebral Paralisia Cerebral. Paraplégico Parkinson Passe livre PCD pedras nos rins PERDA AUDITIVA/SURDEZ PERDA DE PESO Perks Pesquisa Pessoas com Deficiência PLANTAS MEDICINAIS Poliomielite Política Política Inclusiva Políticas públicas Praia Preconceito Protestos próstata prótese Próteses Raquimedular Reabilitação REATECH REATECH 2013 REATECH 2014 Receitas Remédios Reportagem Rins Robótica Sarah Kubitschek Saúde Sedentarismo Serviços Setor Transportes Sexualidade Solidariedade Superação Surdos Sustentabilidade Síndrome da Apneia Síndrome de Asperger Síndrome de Burnout Síndrome de Charge Síndrome de Down Síndrome de Rett. Síndromes Tecnologia Tetraplégico Tetraplégicos Tiro com arco Tiro Esportivo Transplante Trauma Tromboembolismo trombose venosa Tênis em cadeira de rodas vaga para deficiente Vagas de Emprego Vagas Preferenciais Vela adaptada Violência Urbana Vitalidade Vídeo Ônibus Acessível ‘fenômeno de orientação espacial’